3 Comments

  1. Paulo Andrade
    27 de setembro de 2012 @ 00:22

    O estudo citado pelo IBASE, que apenas repetiu o que tem sido divulgado pelos jornais franceses, é um completo desastre científico e jamais deveria ter sido aceito por uma revista científica séria.
    Há inúmeras deficiências e problemas no artigo, mas o mais sério foi o uso de uma linhagem de ratos que desenvolve tumores por todo o corpo, em diferentes órgãos e tecidos, de forma espontânea, após o primeiro semestre de vida.
    Desta forma, o artigo não traz nada ao público a não ser temor infundado quanto à segurança deste produto (o milho NK603), que foi avaliado e aprovado pela CTNBio e que vem send consumido de forma segura por milhões de animais e seres humanos pelo mundo afora por muito anos.
    Para um detalhamento dos gravíssimos erros científicos deste artigo, vejam:
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/09/artigo-que-mostra-o-surgimento-de.html
    e também
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/09/artigo-sobre-efeito-de-milho.html

  2. Hugo Camargo Rocha
    26 de novembro de 2012 @ 05:43

    Prezado Sr. Paulo Andrade, eis o que informou a ex-Ministra do Meio Ambiente da França (1995-1997), Corinne Lepage, em resposta a esta sua crítica:

    “A linhagem de ratos escolhida não seria adequada” … Crítica interessante quando sabemos que se trata da mesma linhagem que é utilizada pela Monsanto em todos os seus estudos, os quais serviram de base às autorizações concedidas na Europa. Se esta linhagem não é válida, então todas as autorizações devem ser retiradas uma vez que elas se baseiam em testes ineficazes.”

    Leia o artigo inteiro – “OGM: une étude et une démarche historiques”, publicado em 24/09/2012, no site http://www.huffingtonpost.fr/ . E páre de acreditar e apenas repetir o Credo e o dogma da indústria biotech que reza “A engenharia genética dos principais alimentos da humanidade não comporta nenhum risco”.

    Quem quiser um portal que dê acesso às notícias, artigos e estudos independentes sobre os OGM, vá ao site do GMWatch: http://www.gmwatch.org. Tem informações do mundo todo, com links aos originais. É um bom começo para quem não é tonto nem acredita no Credo da indústria biotech. E o site da instituição que promoveu este estudo de Séralini, o CriiGen (França) é: http://www.criigen.org/ .

    O estudo publicado está disponível para download no site: http://www.sciencedirect.com. Basta indicar a revista “Food and Chemical Toxicology” e o nome do autor “Séralini” e clicar na busca. O artigo e a resposta do pesquisador a estas críticas aparecerá para download. Façam o favor de ler, antes de acreditar na ladainha dos biotech.

    Que tal respeitarmos a vida dos outros, e parar de impor alimentos GM à toda a humanidade? O que ganham com isso, além de muito dinheiro?

  3. Paulo Andrade
    6 de abril de 2014 @ 17:56

    Passado mais de um ano deste comentário acima, a ciência foi vencedora: o artigo foi retirado de circulação pela revista, seu autor desacreditado e a mídia que deu apoio a esta novela de mau gosto desmentida em todos os fronts.
    Nada como o tempo para dar razão à razão.